Menina Autista de 5 anos têm uma Gata como Companheira

Lembra quando nós escrevemos sobre Iris Grace, a incrivelmente talentosa menina de 5 anos de idade com autismo que pinta belas imagens? Acontece que ela tem um ajudante por trás das cenas que também é digno de louvor – que é Thula, seu gato terapêutico.

Thula, que tem quase 1 ano de idade, é um Maine Coon. Esta raça é conhecida como inteligente e gentil e mesmo ainda sendo pequena e jovem, Thula não decepciona. Sua personalidade gentil e amável é especialmente importante para Iris; “Thula acalma [Iris ] com as ansiedades diárias na vida”, diz a mãe de Iris, Arabela Carter-Johnson, ” e também tem o efeito de encorajá-la a ser mais social. Ela conversa mais com Thula, dizendo pequenas frases como “sentar gato”.

Carter-Johnson, tinha quase desistido da busca de um companheiro animal terapêutico para a filha. Quando Iris se conectou com um gato siberiano que sua família tomou conta durante o Natal, ela percebeu que “simplesmente não havia encontrado o animal certo ainda.”

“Thula acalma [Iris ] com as ansiedades diárias na vida”, diz a mãe de Iris, Arabela Carter-Johnson, ” e também tem o efeito de encorajá-la a ser mais social. Ela conversa mais com Thula, dizendo pequenas frases como “sentar gato”.

“Iris durante o ano passado odiava banhos e lavar os cabelos. Thula foi ficando na banheira com Iris e até mesmo me deixava passar shampoo nela também para ajudar a Iris. ”

“Iris é mais ativa na parte da manhã agora. Antes de Thula, era sempre difícil começar o dia. Ela se engaja mais facilmente em atividades e houve mudanças nos nossos passeios de bicicleta. ”

“Não foi aconselhado obter um animal de terapia, mas quando você pesquisa sobre o autismo, há histórias que surgem de tempos em tempos sobre os efeitos maravilhosos que os animais podem ter sobre uma criança com autismo.”

“Levamos Iris para Equiterapia, mas ela não parecia muito interessada em cavalos na época. Então eu comecei a pensar sobre um cão de terapia “.

“Iris e o cão não se davam bem – Iris odiava ser lambida e o rabo abanando, a hiperatividade do cão iria perturbá-la. Então, por um tempo eu desisti da ideia. ”

“Então eu pensei sobre um gato terapia depois de ler mais histórias sobre como eles têm ajudado as crianças com autismo … mas, novamente, não havia interesse de Iris e o gato não parecia gostar dela também.”

“A essa altura eu estava ficando desencorajada. Eu não poderia continuar com tentando vários animais diferentes, não era justo com qualquer um e não ajudava Iris em nada. ”

“Então, a namorada do meu irmão precisava de um lugar para o seu gato durante os feriados de Natal e nós nos oferecemos para cuidar dela enquanto eles estavam no exterior. Ela era uma bela Siberiana e Iris se conectou imediatamente com ela “.

“Foi então que eu percebi que eu não tinha encontrado o animal certo ainda. Então, isso nos tomou muito tempo e várias tentativas e erros ao experimentar diferentes opções, mas chegamos lá no final. ”

“Thula não é um gato de terapia treinado, mas eu fiz algumas coisas – eu acostumei ela a usar um arnês (coleira) quando ela era uma gatinha e andar no carro e na moto. O resto ela faz por conta própria. ”

“O equipamento tem um propósito muito importante. Thula sai de moto com a gente e não há um espaço interna na cesta. Ela normalmente não quer pular fora, mas é uma medida de segurança para o caso de algo assustá-la, como o tráfego.

O que você têm a dizer a essa garotinha e o seu gato?